Para aliviar o calor, confira cinco receitas de sorvetes e picolés para fazer em casa

As temperaturas continuam elevadas em vários estados brasileiros, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. Uma massa de ar quente influencia o clima nessas regiões e faz com que as temperaturas ficam acima dos 30° C.

A Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes afirma que o consumo se eleve em aproximadamente 20% durante todo o verão, que começou no dia 21 de dezembro e se estende até 20 de março.

"Já a nossa expectativa para o ano de 2019 é bastante otimista. O mercado, neste início do novo governo, aponta para um crescimento lento, mas gradual. Esperamos no período entre janeiro e dezembro a retomada do volume médio de produção do setor, algo em torno de 1,20 /1,40 bilhão de litros", diz Eduardo Weisberg, presidente da associação.

Para aproveitar sem nem precisar sair de casa, Francisco Sant'Ana e demais chefs da Escola Sorvete ensinam cinco receitas fáceis para fazer a sobremesa em casa.

PICOLÉ DE AMORA E ÁGUA DE COCO

Tempo de preparo: 3h
Dificuldade: Fácil

Ingredientes
750 g amora
110 g açúcar
40 g xarope de agave
30 g mel
5 limões
70 g de água coco

Modo de preparo:
-Em um liquidificador, adicionar todos os ingredientes e mixar
-Preencher as formas ou copinhos e dispor as amoras
-Levar ao freezer e aguardar até endurecer completamente


SORVETE DE TORRONE

Tempo de preparo: 3h
Dificuldade: Médio

Ingredientes
180 g de mel
75 g de água
90 g de açúcar
5 claras de ovos
35 g de frutas cristalizadas
50 g de amêndoas
50 g de damasco
50 g de pistache
20 g de uva passa
30 g de avelã
570 g de creme de leite

Modo de preparo:
-Adicionar em uma panela a água, o açúcar e o mel. Cozinhar até 118°C e verter na batedeira, sobre as claras em neve
-Bater até esfriar e em seguida reservar
-Bater o creme de leite, até um ponto de chantilly mole
-Adicionar as duas bases e juntar as misturas às frutas secas
-Levar para o congelador e aguardar por 3 horas
-Servir cortado


PICOLÉ DE JABUTICABA

Tempo de preparo: 2h
Dificuldade: Fácil

Ingredientes
700 g de jabuticaba
120 g de açúcar
60 g de glucose de milho
5 g de xantana
115 g de água

Modo de preparo:
-Bater no liquidificador todos os ingredientes
-Colocar a massa nas forminhas e levar ao congelador


GELADO DE COCO

Tempo de preparo: 3h
Dificuldade: Médio

Ingredientes
60 g de água de coco
120 g de claras
210 g de açúcar
400 g de leite de coco
400 g de creme de leite fresco

Modo de preparo:
-Levar a água de coco e o açúcar ao fogo e cozinhar ate 115 C°
-Verter sobre as claras batidas em neve
-Bater, até esfriar
-Bater o creme de leite a ponto de chantilly mole e juntar com o merengue de água de coco e com o leite de coco
-Levar ao congelador, e depois de uma hora, retirar e bater na batedeira
-Voltar ao freezer e servir após 2 horas


SORVETE DE BRIGADEIRO

Tempo de preparo: 3h
Dificuldade: Médio

Ingredientes
400 g de leite condensado
50 g de cacau em pó
25 g de manteiga
600 g de creme de leite fresco
120 g de gema
60 g de água
350 g de gema

Modo de preparo:
-Levar em uma panela e cozinhar ate um ponto mole
-Deixar esfriar
-Bater o creme de leite em ponto de chantilly mole e reservar
-Cozinhar a água e e o açúcar ate 117 graus
-Verter sobre as gemas batidas e seguir batendo ate esfriar
-Reservar. Em seguida, juntar as 3 bases e levar ao freezer, e retirar quando estiver endurecendo
-Bater outra vez e levar ao freezer novamente


ULTIMAS VAGAS !!!!!!

PARA ESPECIALISTAS E TÉCNICOS da INDÚSTRIA DE SORVETES.

Que tal um curso profissionalizante específico para vocês, desenhado com a sua participação e inteiramente ONLINE?
Entre no link para fazer a sua inscrição
http://bit.ly/webinar-abis


Alimentos processados na nutrição dos brasileiros

A maioria dos alimentos processados é composta por alimentos com nutrientes importantes para a dieta dos brasileiros: carnes, cereais, laticínios, frutas e vegetais. Os fatos mostram que, no Brasil, a maioria dos alimentos processados adquiridos pela população é destinada para a nutrição básica:

Os estudos Brasil Food Trends 2020 e Brasil Ingredients Trends 2020 mostram como a indústria tem desenvolvido produtos e ingredientes nutritivos e funcionais para atender a crescente demanda da população:

Processamento e valor nutritivo dos alimentos

Não é tipo e nem o fato de ser processado que determina a maior ou menor quantidade de nutrientes de um alimento, isso depende basicamente da RECEITA que estabelece as matérias-primas e outros ingredientes a serem utilizados na elaboração dos diferentes tipos de produtos alimentícios processados.

Alguns tipos de alimentos processados são rotulados de forma genérica como tendo baixo valor nutritivo como, por exemplo, salgadinhos e sorvetes. Porém, existem salgadinhos feitos com farinha integral, com grãos integrais, sementes, com ovos, amendoim etc. Assim, podem ter grande quantidade de nutrientes. Da mesma forma, os sorvetes podem ser feitos à base de leite, com muitas frutas, amêndoas, cacau e outros ingredientes bastante nutritivos. Portanto, como dizer que todos os salgadinhos e sorvetes têm baixa “densidade nutricional”?

Para checar a receita e os nutrientes presentes nos alimentos e bebidas processados basta ler os rótulos que, por lei, precisam divulgar os ingredientes utilizados e a sua composição nutricional. Recomenda-se ler os rótulos para fazer escolhas adequadas para cada tipo de dieta. Se persistirem as dúvidas, é possível ainda entrar em contato diretamente com os fabricantes.

A importância dos alimentos processados para a nutrição humana

Com base em resultados de pesquisa (WEAVER et al., 2014), a American Society for Nutrition (EUA) declarou que “Os alimentos processados são nutricionalmente importantes para a dieta dos norte-americanos”. Para a American Society for Nutrition uma boa dieta depende da seleção de alimentos de valor nutritivo, independentemente do fato de serem processados ou não.

Outra pesquisa nos Estados Unidos (IFIC, International Food Information Council) destacou a contribuição dos alimentos processados para o consumo de nutrientes pelos norte-americanos:

Os alimentos in natura são mais nutritivos que os alimentos processados?

De acordo com o European Food Information Council (EUFIC):  “Muitos alimentos processados são tão nutritivos quanto os in natura, assim como há também alimentos processados menos nutritivos e mais nutritivos do que alimentos in natura. Isso depende do produto e da maneira em que eles são processados.
Vegetais congelados são geralmente processados algumas horas depois de colhidos, causando pouca perda de nutrientes no processo de congelamento, ao passo que os legumes in natura podem demorar dias ou mesmo semanas para chegar à mesa do consumidor depois de colhidos, o que leva a perdas significativas de alguns nutrientes.
Alguns tipos de processamento podem causar perda mais acentuada de certos nutrientes do que o congelamento, como, por exemplo, o tratamento térmico. Entretanto, o processamento de alimentos também pode adicionar benefícios nutricionais, como ficou demonstrado para o licopeno, um antioxidante encontrado nos tomates, que se torna mais biodisponível quando os frutos são transformados em molho, massa de tomate, ketchup ou sopa.”
“...a ideia de que todos os alimentos in natura são mais nutritivos que os alimentos processados não procede. Alimentos enlatados, secos, congelados ou cozidos não têm necessariamente menor valor nutricional. De fato, estes processos ajudam a aumentar a vida de prateleira, tornar os alimentos seguros para consumo e, em alguns casos podem realmente melhorar a qualidade nutricional. Por exemplo, o betacaroteno em cenouras enlatadas é mais biodisponível do que as cenouras frescas, e as ervilhas frescas, quando congeladas imediatamente após a colheita, têm mais vitamina C do que aquelas armazenadas à temperatura ambiente por alguns dias antes do consumo.”

TÉCNICOS E ESPECIALISTAS EM SORVETES, guardem essa data! 
Estamos desenvolvendo um curso a distância (EAD) e queremos te convidar para participar dessa construção.



Clash discute a importância da comunicação para o setor de sorvetes no Brasil
na Fiesp atende a micro e pequenas empresas

Feiras do Brasil - SP

Desmistificação do produto, inovação e empreendedorismo foram alguns dos assuntos que pautaram a segunda edição do evento, em 13 e 14 de junho

A segunda edição do Congresso Latino-Americano de Sorvetes-Helados (Clash) reuniu empresários e personalidades do segmento artesanal, industrial e alimentício no Expo Center Norte, em São Paulo, onde foi realizado o evento. Promovido pela Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes (ABIS) o congresso foi realizado simultaneamente à Fispal Sorvetes.

O painel de abertura contou com a presença do empresário Leonardo Fausto Zipf, presidente da Duas Rodas S/A, patrocinadora oficial do evento, entre outras personalidades importantes do setor: João Batista Dornellas, presidente executivo da Abia; Luis Madi, diretor geral do Ital; Nelson Pereira dos Reis, diretor do Departamento de Desenvolvimento Sustentável da Fiesp; Mayra Monteiro Viana, analista do Sebrae Nacional; Alberto Amorim, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo; e Fernando Teixeira Samary, chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa – que foram recepcionados por Eduardo Weisberg, presidente da ABIS, idealizador e curador do Clash.

Norteado pelo tema "Sorvetes Marca Brasil", o Clash 2018 reuniu este ano mais de 200 participantes e 30 palestrantes que debateram durante dois dias (13 e 14 de junho) temas relevantes para o segmento. Ao longo de doze horas de apresentações e interlocução entre palestrantes e plateia, as discussões giraram em torno de tópicos importantes para o mercado interno e externo em diversos nichos: tecnologia, inovação, comunicação, empreendedorismo, regulamentação, internacionalização, nutrição, saúde e tendências além de "cases" de sucesso.

O Sebrae, por exemplo, acredita muito no setor de sorvetes. "Há um campo vasto para o empreendedor que decidir apostar nesta área", sublinha Anderson Gonçalves de Freitas, gestor de projetos do Sebrae/MG. Para a analista de Pesquisa da Euromonitor International no Brasil, Caroline Kurzweil, o Brasil é detentor de 40% do mercado sorvetes na América Latina, o consumo per capita no Brasil já está acima da média mundial, de 5,3 litros por habitante/ano. De acordo com o presidente da ABIS, a média no país é de 5,44.

Outro tema que foi amplamente discutido foi a comunicação. O senso comum entre todos os palestrantes é que existe uma deficiência muito grande na transmissão de informação sobre a área de alimentos, incluindo o sorvete, para o cidadão comum. "O que é mito e o que é verdade? O ovo faz mal para saúde ou faz bem? E o sorvete, alimenta, nutre ou é vilão? " são algumas das contradições que permearam a discussão.

Como debatido ao longo do Clash, o grande desafio será romper a barreira da comunicação no âmbito técnico e do conhecimento, levando a informação correta para a sociedade. Neste sentido, Eduardo Weisberg, presidente da ABIS, sugeriu a realização de um fórum específico ainda neste ano só para discutir o tema. A fim de organizar este projeto, Weisberg já deu início à criação de um comitê que será formado por entidades e empresas parceiras, para auxiliar na comunicação.

"Precisamos nos aproximar do consumidor final e trazê-lo para perto com a informação objetiva e pontual", complementa o presidente da ABIS. "Principalmente hoje, porque a saudabilidade do alimento é uma preocupação básica das pessoas, sublinha a nutricionista clínica Márcia Terra, diretora da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (SBAN).

"Um dos insights poderosos, que emergiram, é o poder de convergência que uma intenção elevada do tipo Marca Brasil poderia provocar atraindo os diversos atores da cadeia de valor, incluso consumidores", comentou Cecilia D´Alessandro, consultora estratégica da ABIS e responsável pela concepção, coordenação e facilitação do Clash 2018.

Para o coordenador do Observatório de Multinacionais da ESPM/SP, professor Diego Bonaldo Coelho, a busca por saúde, nutrição e transparência são tendências irreversíveis no segmento de sorvetes. Ele analisa também que há uma sinalização interessante no processo de internacionalização de empresas brasileiras no mercado externo e que, de uma maneira geral, a mentalidade brasileira é voltada para o mercado interno. "Neste sentido, a empresa precisa ser competitiva e ter diferenciais para o mercado", enfatiza.

Sobre a Abis

Fundada em 2002, a Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes (ABIS)representa toda a cadeia produtiva, inclusive sorveterias e gelaterias artesanais, e tem por objetivo contribuir para o desenvolvimento contínuo das empresas do setor. Por meio da divulgação das vantagens e benefícios do sorvete, ressaltando sempre sua qualidade e seu valor nutritivo, a entidade procura criar condições adequadas para o crescimento das empresas associadas. Atualmente, o Brasil conta com oito mil empresas ligadas à produção e comercialização de sorvete. O setor gera 75 mil empregos diretos e 200 mil indiretos, tendo um faturamento anual acima de R$ 13 bi.



Clique aqui




Segunda Reunião do Planejamento Estratégico da ABIS






Reunião do Planejamento Estratégico da ABIS





Eventos

Winter Fancy Food Show 2019
Onde: São Francisco, EUA
Quando: 13 a 15 de janeiro
Mais informações

SIGEP
Onde: Rimini, Itália
Quando: 19 a 23 de janeiro
Mais informações

Mais Informaçôes

História

A história começa com os chineses, que misturavam neve com frutas fazendo uma espécie de sorvete. Esta técnica foi passada aos árabes, que logo começaram a fazer caldas geladas chamadas de sharbet, e que mais tarde se transformaram nos famosos sorvetes franceses sem leite, os sorbets
Leia mais